Fases do Desenvolvimento da Coordenação Motora Fina na Paralisia Cerebral: Saber mais

Fases do Desenvolvimento da Coordenação Motora Fina na Paralisia Cerebral

A paralisia cerebral é uma condição neurológica que afeta o controle dos movimentos e a coordenação motora. É uma condição crônica e não progressiva, que ocorre devido a danos no cérebro em desenvolvimento, geralmente antes do nascimento. A coordenação motora fina é uma das habilidades afetadas pela paralisia cerebral, e seu desenvolvimento ocorre em diferentes fases. Neste glossário, vamos explorar essas fases e entender como elas se relacionam com a paralisia cerebral.

Fase 1: Reflexos Primitivos

Os reflexos primitivos são os primeiros movimentos que um bebê realiza após o nascimento. Esses reflexos são involuntários e desaparecem conforme o bebê cresce e seu sistema nervoso se desenvolve. Na paralisia cerebral, esses reflexos podem persistir por mais tempo do que o esperado, dificultando o desenvolvimento da coordenação motora fina. Alguns exemplos de reflexos primitivos são o reflexo de sucção, o reflexo de preensão e o reflexo de Moro.

Fase 2: Controle de Cabeça e Tronco

Na segunda fase do desenvolvimento da coordenação motora fina, a criança começa a adquirir controle sobre a cabeça e o tronco. Isso é importante para o desenvolvimento de habilidades como sentar-se sem apoio e alcançar objetos próximos. Na paralisia cerebral, o controle de cabeça e tronco pode ser comprometido, dificultando o progresso para as próximas fases do desenvolvimento motor.

Fase 3: Controle de Mãos e Braços

A terceira fase do desenvolvimento da coordenação motora fina envolve o controle das mãos e dos braços. Nessa fase, a criança começa a explorar objetos com as mãos, pegando e soltando-os. Ela também começa a desenvolver a habilidade de usar utensílios, como colher e lápis. Na paralisia cerebral, o controle das mãos e dos braços pode ser comprometido, dificultando a realização de tarefas cotidianas que exigem precisão e destreza.

Fase 4: Coordenação Olho-Mão

A coordenação olho-mão é uma habilidade fundamental para o desenvolvimento da coordenação motora fina. Nessa fase, a criança começa a coordenar os movimentos das mãos com o que vê, como pegar um objeto que está à sua frente. Ela também começa a desenvolver a habilidade de apontar e seguir objetos com os olhos. Na paralisia cerebral, a coordenação olho-mão pode ser comprometida, dificultando a realização de tarefas que exigem precisão visual e motora.

Fase 5: Habilidades Manipulativas

Na quinta fase do desenvolvimento da coordenação motora fina, a criança começa a desenvolver habilidades manipulativas mais complexas. Isso inclui atividades como recortar papel, amarrar os sapatos e abotoar roupas. Na paralisia cerebral, essas habilidades podem ser desafiadoras devido à falta de controle dos movimentos finos das mãos.

Fase 6: Escrita e Desenho

A sexta fase do desenvolvimento da coordenação motora fina envolve a aquisição da habilidade de escrever e desenhar. Nessa fase, a criança começa a desenvolver a coordenação necessária para segurar um lápis ou caneta e produzir traços controlados no papel. Na paralisia cerebral, essa habilidade pode ser comprometida, tornando a escrita e o desenho um desafio.

Fase 7: Habilidades de Manipulação Fina

Na sétima fase do desenvolvimento da coordenação motora fina, a criança começa a desenvolver habilidades de manipulação fina mais avançadas. Isso inclui atividades como tocar um instrumento musical, costurar e montar quebra-cabeças. Na paralisia cerebral, essas habilidades podem ser desafiadoras devido à falta de controle dos movimentos finos das mãos e dos dedos.

Fase 8: Coordenação Bimanual

A coordenação bimanual é a habilidade de usar as duas mãos juntas de forma coordenada. Nessa fase, a criança começa a desenvolver a capacidade de realizar tarefas que exigem o uso simultâneo das duas mãos, como abrir uma garrafa ou amarrar um nó. Na paralisia cerebral, a coordenação bimanual pode ser comprometida, dificultando a realização de tarefas que exigem ações simultâneas das duas mãos.

Fase 9: Precisão e Destreza

A nona fase do desenvolvimento da coordenação motora fina envolve o aprimoramento da precisão e destreza dos movimentos. Nessa fase, a criança começa a desenvolver a capacidade de realizar movimentos finos e precisos, como escrever com caligrafia legível e realizar atividades que exigem controle motor refinado. Na paralisia cerebral, a precisão e destreza dos movimentos podem ser comprometidas, tornando essas tarefas mais desafiadoras.

Fase 10: Habilidades Esportivas

Na décima fase do desenvolvimento da coordenação motora fina, a criança começa a desenvolver habilidades esportivas mais complexas. Isso inclui atividades como arremessar uma bola, chutar um objeto em movimento e jogar jogos de equipe. Na paralisia cerebral, essas habilidades podem ser desafiadoras devido à falta de controle dos movimentos finos e da coordenação motora global.

Fase 11: Autonomia nas Atividades Diárias

A décima primeira fase do desenvolvimento da coordenação motora fina envolve a aquisição da autonomia nas atividades diárias. Isso inclui habilidades como se vestir, se alimentar e cuidar da higiene pessoal de forma independente. Na paralisia cerebral, essas habilidades podem ser desafiadoras devido à falta de controle dos movimentos finos e da coordenação motora global.

Fase 12: Habilidades Profissionais

Na décima segunda fase do desenvolvimento da coordenação motora fina, a criança começa a desenvolver habilidades profissionais mais específicas. Isso inclui atividades relacionadas a profissões, como tocar um instrumento musical profissionalmente, realizar cirurgias ou pintar obras de arte. Na paralisia cerebral, essas habilidades podem ser desafiadoras devido à falta de controle dos movimentos finos e da coordenação motora global.

Fase 13: Manutenção das Habilidades

A décima terceira e última fase do desenvolvimento da coordenação motora fina envolve a manutenção das habilidades adquiridas ao longo das fases anteriores. Nessa fase, a criança deve continuar praticando e aprimorando suas habilidades motoras para mantê-las ao longo da vida. Na paralisia cerebral, a manutenção das habilidades pode exigir terapias e intervenções contínuas para garantir o melhor funcionamento possível.

Em resumo, o desenvolvimento da coordenação motora fina na paralisia cerebral ocorre em diferentes fases, cada uma com suas próprias características e desafios. É importante entender essas fases para poder oferecer o suporte adequado às crianças com paralisia cerebral, ajudando-as a desenvolver suas habilidades motoras da melhor maneira possível.